Categoria: Gestão Escolar

Aproveitando o poder da contação de histórias

Contar histórias é uma ferramenta poderosa em um ambiente de aprendizado seguro com as normas de sala de aula que refletem respeito, honra e empatia. Quando os alunos são capazes de contar suas próprias histórias, ele ajuda a reverter qualquer mentalidade de déficit para criar uma mentalidade de ativos focada em que estudantes podem oferecer em cada sala de aula.

Neste post, discuto a ideia de “ecologia da identidade” e proponho um exercício baseado nesse conceito para estudantes migrantes e imigrantes no ensino médio e médio. Através desta atividade, os professores podem desenvolver uma melhor compreensão das experiências vividas de seus alunos, o que, por sua vez, permitirá que eles entreguem instruções que atendam às várias necessidades de seus alunos.

Ecologia da identidade

O psicólogo Urie Bronfenbrenner tentou capturar a influência do meio ambiente nas identidades das pessoas no que ele chamou de teoria dos sistemas ecológicos do desenvolvimento infantil. Nele, ele identificou as várias forças que moldam a maneira como desenvolvemos nosso senso de si mesmo. O modelo de Bronfenbrenner visualiza as várias dimensões das identidades das pessoas, como idade, gênero e etiquetas culturais, com círculos concêntricos que tornam a identidade, os valores, o clima social e o clima político das comunidades envolventes explícitas. Olhando para essas facetas juntas, temos uma ferramenta para começar a discutir a maneira como nossas identidades são moldadas pelo sistema ecológico que nos rodeia. Todos nós desenvolvemos nossas identidades dentro de um contexto social e cultural. Em certa medida, esse contexto impacta quais oportunidades temos na vida e nossa capacidade de nos expressar como desejamos.

A palavra ecológica refere-se ao campo da ecologia, que explora a relação entre um ser vivo e o ambiente em que vive. Através da linguagem da ecologia, Bronfenbrenner nos lembra que quem somos, e o que fazemos, são profundamente influenciados pelo nosso ambiente físico e social. Os humanos não vivem isoladamente e, portanto, nossas identidades se desenvolvem dentro de um contexto ambiental. Abaixo estão partes do ecossistema humano destacado por Bronfenbrenner. Enquanto os estudiosos diferentes usaram palavras diferentes para descrever os detalhes das camadas ecológicas no gráfico e enfatizaram diferentes aspectos da identidade, o formato básico permaneceu relativamente consistente desde que ele colocou sua teoria inovadora em 1979. Características individuais: idade, gênero, raça, etnia, nacionalidade, identidades culturais Microssistema: Família, pares, condições de escola / trabalho, vizinhança, associação comunitária Exosistema: Influências das mídias sociais, políticas locais e políticas, status legal e direitos Macro sistema: Tradições culturais, condições econômicas, leis, contexto histórico, atitudes comunitárias, preconceitos e tradições de inclusão. Identificando como cada camada do modelo ecológico refere-se à nossa identidade é particularmente útil para os recém-chegados, procurando desenvolver suas identidades em uma nova terra porque elas ou seus familiares transitaram recentemente de um contexto social e cultural para outro.

Ajudar esses alunos a isolar as mudanças na relação entre suas identidades e seu ambiente podem ajudá-los a navegar nos desafios de viver em uma nova terra. As experiências formativas de crianças imigrantes serão moldadas por interações recíprocas entre si e seu ambiente. Os contextos inter-relacionados de desenvolvimento em que crianças e jovens vivem moldam suas oportunidades e têm importantes implicações para os resultados educacionais e de bem-estar. O grau em que os alunos prosperam variam de acordo com vários fatores, incluindo características individuais, sua cultura, as pessoas que encontram e seu ambiente ao longo do tempo. Início da promoção do boletim informativo.

Na sala de aula

Comece a lição com uma discussão sobre as relações entre as histórias que dizemos, as oportunidades que temos, e nossas identidades como indivíduos, membros de famílias, membros de comunidades e dentro da nação. Você pode começar explicando à classe que por trás de todas as decisões e experiências há uma história. Pense em um momento que possa ter mudado sua vida: o que foi? Como mudou sua vida? Você também pode explicar que todo mundo tem uma história para contar: o que é seu e o que é meu, e como o ambiente moldou as histórias que compartilhamos? Para tornar as ideias sobre o concreto de discussão, introduza o conceito de Bronfenbrenner da ecologia da identidade e os alunos criem seu próprio mapa de identidade ecológica.

Ganho mesmo diferente

Depois de completar o quadro, dê aos alunos tempo para refletir sobre suas próprias identidades criando um visual, como um desenho, que represente sua “ecologia” de identidade. Peça aos alunos que formem pares ou criem pequenos grupos para compartilhar fazendo as seguintes perguntas:

O que você vê que é o mesmo entre os dois? Nomeie semelhanças e padrões.
O que você vê de diferente? Cite as diferenças que você observa.
O que ganhamos comparando os dois?

Pense fora da caixa

Além de usar o gráfico para exploração com estudantes imigrantes, este modelo pode servir como uma ferramenta maravilhosa para ajudar a entender as escolhas e dilemas que todos nós enfrentamos diariamente.

Ele pode ser usado como uma ferramenta para análise literária, social e histórica. Nos estudos sociais, isso pode ser usado para analisar a vida de uma figura histórica famosa; e no conteúdo literário, pode ajudar a descrever um personagem ou cenário de uma leitura.

Os educadores podem usar este gráfico para incentivar os alunos a explorar suas próprias identidades ou focar a reflexão em um personagem em um conto, romance, evento histórico ou situação social.
Peça aos alunos que usem o mapa para refletir o clima escolar e a identidade que podem compartilhar para incentivar laços escolares mais fortes ou áreas de crescimento.

Crie um contrato de sala de aula usando as lições aprendidas com os mapas de identidade. Depois de criar seu contrato usando seus mapas de identidade, revise as normas de sua sala de aula. Eles precisam de revisão? Certifique-se de que essas normas promovam uma compreensão compartilhada do tipo de comunidade que você espera alcançar na classe e que todos os membros estejam cientes de suas responsabilidades para que isso aconteça.

Todo mundo tem uma identidade que se reflete em suas vidas diárias, mas essas identidades também são o que moldam nossas experiências com aqueles que nos rodeiam. Nossas experiências vividas refletirão como interagimos com as pessoas com as quais entramos em contato durante nossa vida, sejam amigos, colegas de trabalho, etc. ambiente acolhedor inclusivo.

Fonte: Edutopia

Seminário Internacional Motivação: Evidências para promover a aprendizagem

O Instituto Ayrton Senna liberou a playlist completa do evento: “O SEMINÁRIO INTERNACIONAL MOTIVAÇÃO: EVIDÊNCIAS PARA PROMOVER A APRENDIZAGEM“, escolha o tema e assista, ou, se preferir, faça a imersão no evento de uma só vez acessando o ultimo link com a playlist completa do evento.

📖 Motivação: uma estratégia para o avanço da aprendizagem e para uma educação com significado
Assista em: https://youtu.be/rLUJDC3yJa4

🔬 Mesa: Explorando as evidências científicas
Assista em: https://youtu.be/zr-4wXXTwec

🐵 Jane Goodall – Motivação para a ciência: A cientista inspiradora que revolucionou o conhecimento sobre os animais
Assista em: https://youtu.be/Amdf6K2pWfs

🎓 Mesa: Como fortalecer a motivação por meio de políticas educacionais 
Assista em: https://youtu.be/j9NUFNKRblU

🎨 Motivação para a arte: um respiro com o arteativista Eduardo Kobra
Assista em: https://youtu.be/L_rV9P_di1I

👩‍🔬 Motivação na ciência: uma conversa com pesquisadores
Assista em: https://youtu.be/OwUH-sdyBKU

👩🏻‍🏫 Motivação na prática pedagógica: inspirações para educadores
Assista em: https://youtu.be/49CrAurR3I4

🛣️ Encerramento – O que aprendemos e para onde vamos
Assista em: https://youtu.be/_Os1p8Rt_70

⏯️ Playlist completa do Seminário Internacional – Motivação: evidências para promover a aprendizagem
Assista em: https://youtube.com/playlist?list=PLGYL0Ph3TnLW0RKIAP-Z4-DNtDEWSu_NQ

O que é a divisão digital?

Não, não é um novo tipo de equação matemática! A divisão digital é a lacuna que existe entre as pessoas no mundo que têm acesso a computadores, dispositivos móveis e à internet e as que não têm. Sabemos que quase metade do mundo ainda está offline, o que significa que metade do mundo ainda não consegue se beneficiar da era digital e da economia digital.

Para saber mais sobre a divisão digital, assista a este vídeo com Alice Munyua, diretora da Africa Mradi da Mozilla, ou continue lendo abaixo.

A divisão digital existe em toda parte. Nos Estados Unidos, há milhões de americanos sem acesso confiável à internet em suas casas, mas as diferenças nas taxas de conectividade entre os países mais ricos e os mais pobres são mais pronunciadas. Por exemplo, bem mais de 80% dos europeus têm acesso à internet, mas uma minoria das pessoas que vivem na região da África pode se conectar. E, globalmente, menos mulheres podem acessar a web do que homens.

No caso do continente africano, a divisão digital é previsivelmente impactada pelo custo. O continente tem a internet mais cara do mundo, de acordo com a Aliança pela Internet Acessível (Alliance for Affordable Internet).

Custo de 1 GB de internet banda larga móvel como % da renda mensal bruta

Essa alta barreira à entrada tem muitas implicações. Uma coisa que a crise da COVID deixou claro é que precisamos de uma economia digital conectada agora mais do que nunca. Fazer uma simples videochamada pode ser uma experiência realmente frustrante para alguém na Índia ou na Nigéria, e apenas tente estudar em casa sem uma banda larga confiável!

% de adultos nos EUA que tinham banda larga em casa em 2019, por renda

Mesmo para as pessoas que estão on-line, ainda existem disparidades. Por exemplo, a brutalidade policial em um protesto em um local com acesso confiável à internet, como os EUA ou Hong Kong, provavelmente será muito melhor documentada do que na Nigéria, Zimbábue ou Tanzânia. E quando os estados fecham a internet aberta, como vimos em tempos de agitação civil ou durante as eleições presidenciais, os atores políticos podem criar condições que os favoreçam politicamente, com sérias implicações democráticas e cívicas.

Para as pessoas que têm a sorte de ter conectividade significativa, a internet fornece uma ligação crucial para informações que ajudam a manter suas famílias saudáveis e seguras, mantê-las empregadas, capacitá-las a estudar, se envolver no governo e exercer as liberdades políticas.

Em última análise, a divisão digital é um sintoma que nos aponta para um problema muito mais profundo em nossos sistemas econômicos e no desenvolvimento econômico. É um problema que existe tanto nos países desenvolvidos quanto subdesenvolvidos do mundo. Para abordar a divisão digital, devemos abordar os desafios sociais e culturais subjacentes que a criaram.

Fonte: Mozilla

Tendências para a educação

O ano de 2020 não foi fácil. Mas como é comum na História, a pandemia do novo coronavírus, que chegou ao país em março, trouxe muitos desafios, como também acelerou diversas mudanças em todos os setores da sociedade. Um dos exemplos é o comércio eletrônico. Segundo a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad), o setor cresceu, em alguns meses, o que estava previsto para crescer em cinco anos. Um salto que leva as empresas de tecnologia, os comerciantes e até os consumidores a se reinventarem em tempo recorde, adaptando-se a novas tecnologias e a uma nova mentalidade.

As aulas presenciais estão vetadas em todos os níveis – na rede pública e privada

Novo decreto publicado hoje, 13 de março de 2021, vetou as aulas presenciais em todos os níveis, na rede publica e privada da região metropolitana de Goiânia. O decreto endureceu ainda mais as regras de distanciamento social.

O Decreto Municipal N. 1.987/2021, que altera o Art. 10-A, §3º, incisos XXVIII e XXIX, do Decreto N. 1.601/21, foi publicado trazendo novas regras para a realização de atividades escolares em estabelecimentos privados de ensino da capital.

De acordo com o novo Decreto, as atividades não essenciais, econômicas e não econômicas, terão seu funcionamento suspenso por 14 (quatorze) dias a partir do dia 15 de março de 2021, de modo que, neste período, somente são permitidas atividades pedagógicas na modalidade remota; não sendo, portanto, permitida a convocação de professores (as) administrativos (as) e alunos (as) para realiza-las de forma presencial; como se colhe da literalidade do § 3º, do Art. 10-A, do Decreto N. 1897, inciso XXVIII:“§ 3º.

Para efeitos deste artigo consideram-se atividades essenciais, exclusivamente, aquelas realizadas:
(…)
XXVIII – em estabelecimentos privados de ensino regular nas etapas infantil, fundamental e médio, somente na modalidade remota;
XXIX – para o suporte de aulas não presenciais, nos departamentos e locais indispensáveis do estabelecimento de ensino, por funcionários e professores a estes vinculados;
(…)

De acordo com o SINPRO Goiás, essa permissão para “o suporte de aulas não presenciais”, não quer nem pode significar que os estabelecimentos de ensino sirvam-se dela para convocar seus trabalhadores, de forma coletiva e cotidianamente, para se agruparem em suas dependências; pois que isso afronta a motivação do decreto, cristalinamente estampada em seus “considerandos”.

A presença de profissionais da educação – professores e administrativos – nas dependências do estabelecimento de ensino, somente é permitida para o recebimento de suporte – auxílio, apoio, ajuda – às aulas remotas, que excepcionalmente se faça necessário para a manutenção das aulas ministradas em suas residências – recebimento, reparo ou substituição de mídias ou equipamentos eletrônicos necessários à gravação remota de aulas; recebimento ou devolução de materiais didáticos que não possam ser enviados eletronicamente; uso excepcional da internet ou equipamentos eletrônicos da instituição de ensino – entre outros.

Destarte, durante o período de vigência do comentado decreto, a realização de atividades presenciais por parte de professores (as) com uso do suporte técnico da escola, limita-se àqueles que expressamente demonstrarem não possuírem as necessárias condições para ministrar aulas remotas diretamente de suas residências; garantido, nesta excepcional hipótese, o integral cumprimento dos protocolos de biossegurança fixados.

Esta nota foi editada em 14 de março de 2021 às 15:30 para incluir o posicionamento do SINPRO-Goiás.

Clique aqui para ler o decreto

A Secretaria de Educação do Estado de Goiás decide por manter o teletrabalho

A Secretaria de Educação do Estado de Goiás decidiu hoje, 12 de março de 2021, por manter o teletrabalho no âmbito das escolas públicas estaduais até o dia 21 de março de 2021, em virtude da disseminação do novo coronavírus (COVID-19).

A Secretaria, determinou ainda que as Coordenações Regionais de Educação e as Unidades Escolares mantenham uma estrutura específica para a distribuição dos kits de alimentação, mochilas, uniformes, tênis e material escolar aos alunos, conforme o cronograma definido pelas Superintendências responsáveis.

Clique aqui para ter acesso ao documento oficial.

Software para Gestão Escolar

O Sistema Lápis é um Software para Gestão Escolar que permite a organização administrativa, pedagógica e financeira de forma eficiente da escola.

O Sistema Lápis é composto dos módulos: Secretaria, Tesouraria, Portaria, Protocolo, Cash, Prova e Biblioteca.

Ensino híbrido

Num contexto de intensificação da pandemia de Covid-19 e em que a plena retomada das aulas presenciais não se coloca no horizonte, o ensino híbrido ganha força como alternativa para possibilitar a continuidade da aprendizagem dos estudantes. Embora se fale muito sobre essa abordagem, há uma série de confusões conceituais em torno dela.

Decreto de lockdown – Goiânia e Aparecida de Goiânia

O prefeito do município de Goiânia e o prefeito de Aparecida de Goiânia decretaram lockdown parcial na região neste dia 27 de fevereiro de 2021, as escolas podem funcionar parcialmente, respeitando o número máximo de 30% dos alunos.

Clique aqui para ver o decreto de Goiânia

Clique aqui para ver o decreto de Aparecida de Goiânia