Autor: Comunicação
Amante de livros, tecnologia e educação. Fui Superintendente na Secretaria de Educação, Cultura e Esporte do Estado de Goiás, sou Mestre Reiki e empresário no segmento de tecnologia e educação #Patriots #Flamengo

LGPD — Um Guia Completo Para Negócios On-line

Depois de muitas discussões, a LGPD (Lei Geral de Proteção aos Dados) entrou em vigor em 2020. Na prática, isso significa que todos os negócios que estão na internet estão ou serão impactados.

Independentemente de qual seja o tamanho da sua empresa, é importante estar por dentro das novas regras. Neste artigo, você entenderá sobre os aspectos principais da LGPD. Veja só!

O que é a LGPD e para que ela serve?

Durante muitos anos, a internet reinou sem regras específicas. Porém, conforme o número de internautas aumentou, governos de todo o mundo perceberam que era necessário criar dispositivos para o uso da rede.

Na União Europeia, os países passaram a adotar a General Data Protection Regulation (GDPR) — regulamento que inspirou a LGPD do Brasil. Aqui, as discussões começaram há anos, porém, a regulamentação foi sancionada em 2018 e começou a valer em 2020.

De forma resumida, pode-se dizer que a lei foi criada para proteger os dados dos usuários. Como as empresas costumam coletar diversas informações, agora, é necessário que os clientes aceitem isso.

Por causa dessas mudanças, quem tem negócios online precisa ter uma atenção redobrada. As estratégias devem ser focadas cada vez mais em gerar valor aos consumidores para que eles queiram disponibilizar os dados e manter contato com a empresa.

Quais são os pontos principais da Lei Geral de Proteção de Dados?

A LGPD tem diversos pontos que precisam ser entendidos. Para facilitar, você pode conferi-los abaixo:

Para que se aplica a lei?

A Lei Geral de Proteção de Dados será aplicada para todas as empresas, sejam elas públicas, privadas, pequenas, médias ou grandes. As normas valem para negócios que oferecem serviços ou produtos na internet e que, portanto, lidam com dados dos cidadãos brasileiros.

Quais são os dados?

Quando se fala em dados, é normal ter algumas dúvidas. Afinal, do que exatamente a lei está tratando? A LGPD trata dos dados pessoais e sensíveis. Os primeiros se referem às informações que podem identificar uma pessoa.

Já os dados sensíveis incluem registros relacionados com crenças, opiniões políticas, condições de saúde, entre outros.

Como a empresa é responsável pelos dados?

As empresas são responsáveis pelo acesso e armazenamento dos dados dos clientes. Caso haja o vazamento das informações, as pessoas envolvidas deverão ser comunicadas, assim como o órgão competente.

Há infrações para o caso de não cumprimento?

Sim, a LGPD prevê que as empresas podem receber advertências e pagar multa de até 2% do faturamento, se não cumprirem as normas. Devido a isso, é necessário tomar bastante cuidado.

Quais são os direitos dos usuários?

Por sua vez, a lei também estipula quais são os direitos dos usuários, isso é, dos donos daqueles dados. Eles podem:

  • solicitar as informações que as empresas têm dele;
  • pedir a correção de um dado incorreto;
  • requerer a eliminação de uma informação;
  • permitir a portabilidade de acesso a outro provedor;
  • ter a ciência da finalidade para qual a informação será usada.

Quais são os princípios da LGPD?

A LGPD possui uma série de princípios, ou seja, de condutas que devem ser adotadas por todas as empresas. Saiba quais são:

Finalidade

É a regra mais importante. De acordo com o princípio da finalidade, nenhuma organização pode usar os dados como quiser. A empresa deve ter um motivo.

Necessidade

Será que a empresa precisa mesmo das informações? O ideal é que o uso de dados seja o menor possível e sempre com uma justificativa plausível.

Transparência

A empresa precisa ser a mais transparente possível para o público sobre o tratamento das informações. Uma forma de ajudar nisso é mantendo uma política de privacidade atualizada no site.

Consentimento

A partir de agora, os internautas precisam autorizar que uma empresa use ou não os dados deles. Esse é o caso dos cookies. Muitos sites já estão perguntando aos usuários se podem usar as informações dos cookies para fornecer propagandas.

O consentimento precisa ser claro. Ou seja, é necessário realmente perguntar para a pessoa sobre o uso das informações. Caso contrário, a empresa estará infringindo a lei.

Legítimo interesse

O princípio do legítimo interesse anda ao lado do consentimento, embora seja muito diferente. Imagine que uma empresa interaja com um grupo de consumidores, por exemplo. Ela costuma enviar e-mails marketing com novos produtos.

Um dia, ela se planeja para divulgar algo diferente que começará a vender. A finalidade do dado será a mesma, certo? Ou seja, passar informações ao público. Nesse caso, não será necessário solicitar o consentimento das pessoas para o envio de uma nova publicidade. O legítimo interesse, que já existe por conta do relacionamento, dará conta do recado.

Porém, caso a empresa queira usar os dados para algo diferente, então, apenas este princípio não servirá. Afinal, o público poderá se queixar de receber algo que não esperava, ou ter os dados usados de uma maneira que não foi autorizada.

Contratos

Outro cuidado que as empresas precisam ter é com o uso de informações dos contratos. Ninguém pode usar ou repassar os dados de um documento, sem que haja a autorização de todas as partes.

Por exemplo: um cliente assinou um serviço e, consequentemente, informou endereço, telefone, e-mail, etc. Essas informações são para a utilização exclusiva do negócio com quem fechou o acordo. Sem contar que para um novo uso será necessário informar o consumidor – atendendo ao princípio da transparência.

Como a sua empresa pode se preparar?

Como visto até aqui, a LGPD possui muitas regras que já eram esperadas – transparência do uso de dados, por exemplo – e alguns pontos que merecem atenção. Para quem ainda está se preparando para seguir a lei, vale pensar nisso:

  • ler toda a legislação, anotando as regras principais e compreendendo as obrigações legais;
  • nomear um encarregado, ou seja, alguém que será responsável por monitorar se todos estão seguindo a lei;
  • criar e divulgar uma política de privacidade ou atualizar a que já existe. Lembrando que isso deve ser o mais específico possível;
  • acompanhar de perto se todas as equipes estão preservando os dados dos clientes, afinal, é para isso que a lei foi criada.

Fonte: GoDaddy

Medidas que você pode tomar para proteger sua identidade on-line

As violações de dados são uma entre as várias ameaças on-line. Usar conexões de internet seguras, atualizar seu software, evitar e-mails fraudulentos e criar senhas fortes ajudará você a ficar mais seguro enquanto estiver on-line.

Cuidado com redes wi-fi públicas

Atualmente, você tem acesso ao wi-fi em praticamente qualquer lugar, mas as redes abertas tendem a ser as menos seguras e, portanto, as mais vulneráveis. Isso inclui o acesso wi-fi gratuito em restaurantes, bibliotecas, aeroportos e outros espaços públicos. Se você puder evitar, não use wi-fi público. Mais importante ainda: não use essas redes para fazer login em sites de bancos ou para fazer compras on-line. Existe a possibilidade de alguém estar verificando o tráfego wi-fi para ver quais sites você acessa. Se você fizer login em um wi-fi público falso sem perceber, a pessoa que o configurou poderá interceptar seu tráfego e eventualmente coletar informações importantes, como nomes de usuário e senhas. Em vez disso, recomendamos o uso de um proxy de rede seguro para navegar ou uma Rede Privada Virtual (VPN) para a conexão completa do dispositivo à rede. Esses serviços permitem que você use o wi-fi público com mais segurança e podem ajudar a manter suas atividades on-line privativas.

Faça as atualizações de software e de aplicativos assim que estiverem disponíveis

A atualização de software no seu computador, tablet e celular pode parecer um saco, mas é fundamental para manter esses dispositivos seguros. As atualizações corrigem bugs, vulnerabilidades de software e problemas de segurança. A atualização regular de aplicativos e sistemas operacionais de smartphones deixa seus dispositivos mais seguros. Melhor ainda: ative as atualizações automáticas. Você pode configurar seu computador, navegador, aplicativos e celular para fazer o update automaticamente assim que novas atualizações estiverem disponíveis. Configure e relaxe!

Fique atento a e-mails que pareçam estranhos

Phishing (ou ciber-iscagem) é um tipo comum de golpe de e-mail. Nesses e-mails, os hackers representam um serviço, uma pessoa ou empresa em que você confia – ou eles podem até mesmo parecer vir de um de seus contatos. Eles parecem reais porque imitam o design de e-mails autênticos, como os do seu banco ou provedor de e-mails. O objetivo desses hackers é fazer com que você digite sua senha em um site falso sem saber ou faça o download de um programa de malware que pode infectar seu computador por meio de um anexo, como uma imagem ou documento. A maioria dos serviços on-line não solicita que você insira informações pessoais ou envie documentos por e-mail. Pense antes de preencher qualquer coisa. O e-mail parece inesperado? Parece que tem algo errado nele? Estão lhe pedindo para fazer login em uma conta para atualizar algo? Não clique e não digite sua senha ou informações em lugar nenhum. Abra o navegador e digite o endereço do site da empresa.

Conheça os sinais clássicos de um e-mail suspeito.

  • Exibe erros gramaticais ou de ortografia
  • Parece especialmente urgente ou requer ação imediata
  • O endereço do remetente parece incomum
  • Promete algo que parece bom demais para ser verdade
  • Solicita que você faça login do próprio e-mail
  • Solicita que você abra ou faça o download de um arquivo que não reconhece

Seja criterioso ao fornecer seu endereço de e-mail

Quanto mais contas on-line você cria, maior o risco de se envolver em uma violação de dados. Muitas empresas, serviços, aplicativos e sites solicitam seu e-mail. Mas nem sempre isso é necessário. Aqui estão algumas maneiras de evitar fornecer seu endereço de e-mail:

  • Não crie uma conta se não for necessário. Por exemplo, muitos portais de compras on-line permitem que você faça check-out como visitante.
  • Considere usar um endereço de e-mail alternativo para sites que exigem um e-mail. O Gmail, por exemplo, oferece um recurso que permite criar um número infinito de endereços de e-mail que você pode filtrar simplesmente anexando um sinal de adição e uma palavra para facilitar a filtragem.
  • Crie um e-mail diferente para se inscrever em promoções e boletins. Não inclua nenhuma informação pessoal que possa ser usada para identificá-lo nesse e-mail, como seu nome ou data de nascimento.
  • Por último, considere se você realmente precisa do serviço. Talvez o risco não valha a pena.

Use senhas fortes e exclusivas para cada conta

Uma das melhores maneiras de se proteger on-line é usar senhas diferentes em todas as suas contas on-line. Dessa forma, os hackers não terão as chaves de toda a sua vida digital se colocarem as mãos nessa senha que você usa em todos os lugares. Suas senhas também precisam ser fortes. Palavras simples (como adminmacaco ou futebol) resultam em senhas fracas. O mesmo ocorre com as 100 senhas mais usadas, incluindo senha e 123456. Evite referências a cultura pop, equipes esportivas e informações pessoais. Não use seu endereço, data de nascimento e nomes de parentes ou de animais de estimação. Quanto mais longas e únicas forem suas senhas, mais difícil será para os hackers as decifrarem.

Lembre-se de todas as suas senhas com um gerenciador de senhas

A boa notícia é que você não precisa guardar todas as suas senhas de cabeça. Os gerenciadores de senhas são aplicativos seguros e fáceis de usar que guardam por você. Eles ainda preenchem suas senhas em sites e aplicativos quando você precisa fazer login. Tudo o que você precisa guardar é apenas uma senha – a que você usa para desbloquear seu gerenciador de senhas. Alguns deles podem até gerar senhas difíceis de decifrar para tornar suas contas mais seguras. Todos os seus dados são criptografados, o que deixa os gerenciadores de senhas bastante seguros – mesmo que sejam invadidos.

Fonte: Mozilla

Empreendedores e a verdade

A trapaça é comum no mundo das start-ups: com tanto em jogo, os fundadores tendem a exagerar, ofuscar e esticar a verdade ao cortejar investidores e outras partes interessadas importantes. Tal engano bloqueia recursos ao prolongar a vida de empreendimentos condenados e torna difícil para investidores e funcionários saberem onde melhor investir seu dinheiro ou trabalho. Também cobra um tributo pessoal dos próprios fundadores.

Os autores fazem uma abordagem multidisciplinar do problema. Eles argumentam que as justificativas comuns para tal engano – a necessidade de proteger investidores e funcionários, e a crença de que todos os empreendedores se envolvem nisso – não resistem ao escrutínio. E eles oferecem vários conselhos aos fundadores, extraídos da filosofia moral: Sonhe grande, mas seja aberto e honesto sobre as evidências e suposições que sustentam sua visão. E cerque-se de pessoas virtuosas que o ajudarão a dar o melhor de si.

IA ética – A escolha não é sua

A IA, nossa velha amiga

Agora você já sabe o que é a IA. Não só significa inteligência artificial, mas também coleta informações e as usa para fazer previsões e tomar decisões. A IA alimenta o feed da mídia social que sugere o próximo post, informa os comerciais que aparecem em seu serviço de streaming, dirige o software que acabou de completar automaticamente esta frase. Em situações mais sérias, pode determinar se você se qualifica para uma fiança ou um crédito imobiliário. Isto significa que os sistemas orientados pela IA tomam decisões sobre si e também tomam decisões por si. Os efeitos disso podem ser terríveis ou até mesmo antiéticos. Quando a IA decide o que você deve ver ou “quem você é”, também decide o que você não deve ver e “quem você não será”.

Onde estão os humanos?

À nossa volta, você pode encontrar a IA fazendo escolhas por nós. Mas não se trata apenas de um computador agindo por conta própria. A IA é projetada por nós, humanos, e isso tem um enorme impacto em tudo que a IA faz. Somos nós, humanos, que dizemos ao computador o que deve considerar e o quão alto ele deve classificar certos dados. A expectativa com relação à IA era que um computador chegaria a uma conclusão usando informações objetivas e algum código extravagante. A realidade é que a IA é tão injusta quanto os criadores que a treinaram.

Aqui estão alguns exemplos. Veja as pontuações de crédito, algoritmos treinados de forma tendenciosa, que podem calcular uma pontuação mais baixa para uma mulher em comparação com um homem. Isso pode afetar os cartões de crédito que eles podem usar ou as hipotecas que podem solicitar. Outro exemplo é a contratação de emprego. Os recrutadores que se baseiam demasiado no software podem inadvertidamente reforçar os pontos cegos relacionados com a raça e o sexo. Existem até preços de seguro automóvel em que algoritmos obscuros determinam quem deve pagar menos ou mais para uma cobertura semelhante, resultando numa oportunidade de preços injustos.

Cansu Canca nos orienta sobre este problema. Assista ao vídeo abaixo para obter mais informação sobre onde e como o preconceiro humano é introduzido em sistemas orientados pela IA.

Fonte: Mozilla

O que é IA?

Quando você ouve o termo inteligência artificial (IA), provavelmente pensa que é algo difícil de entender e acima do seu nível de compreensão. Mas, em última análise, IA são softwares capazes de reconhecer padrões. Aplicativos e outros produtos de tecnologia movidos por IA são capazes de fazer suposições fundamentadas sobre coisas com que nunca tiveram contato, a partir dos dados com que foram treinados. Aqui está um exemplo: digamos que uma cientista de dados ensine um aplicativo a diferenciar fotos de cães e gatos. Ela usa 1.000 imagens marcadas como “cachorro” ou “gato” para treinar o aplicativo para saber qual é qual. Depois que ela lança o aplicativo, uma pessoa pode carregar uma foto nele, que é então capaz de determinar se a imagem contém um cachorro ou um gato. Muito inteligente.

(Aprendiz visual? Vou deixar a pesquisadora Becca Ricks ajudar a explicar:)

O aprendizado de máquina é diferente da IA?

O termo “IA” é muito usado – é um daqueles termos que você vê escrito na parte de trás de uma caixa de brinquedos ou ouve em comerciais do Watson da IBM. Você provavelmente ouviu termos como “algoritmo” ou mesmo “modelo de aprendizado de máquina” muito menos vezes. Os algoritmos alimentam a IA – eles são os programas dentro do software que absorvem um monte de informações e processam os números. Um modelo de aprendizado de máquina é o que faz a previsão.

Um algoritmo é um software que pode examinar várias informações sobre um assunto e classificá-las. Então, quando esse algoritmo é aplicado a um grande conjunto daquilo que os especialistas chamam de dados de treinamento, ele produz um modelo de aprendizado de máquina. O modelo é aquilo que é capaz de receber novos dados e fazer escolhas com base nos dados à sua frente. Seu serviço de streaming sugeriu seu novo programa de TV favorito? Ele conseguiu fazer isso coletando dados sobre você (o que você está assistindo, em qual dispositivo está, o que outras pessoas semelhantes a você assistem, etc.). Com base nisso, o modelo de aprendizado de máquina da plataforma de streaming exibe seu novo programa favorito – Reality Show de Baixa Qualidade, 2ª temporada: Miami. (Entretanto, poucos chamariam sua atenção se você usasse o termo “IA” ou “sistema de recomendação” aqui, em vez de “modelo de aprendizado de máquina”).

IA vs. Modelo de Aprendizado de Máquina

Como é a IA no mundo real?

Você provavelmente já interagiu com a IA, quer tenha percebido ou não. Se alguma vez você já percorreu seu feed do Instagram e as postagens estavam organizadas em ordem de relevância e não em ordem cronológica, isso é a IA em ação. É aqui que as coisas ficam complicadas: quem você é, onde mora, onde costuma ir (na vida real e on-line) e uma série de outros fatores podem influenciar a decisão que um sistema de IA toma sobre você. Não em todos os casos, mas certamente em alguns. Às vezes, a IA pode afetar quais dos seus amigos veem aquela postagem no Facebook que você fez com tanto entusiasmo. Em outros casos, pode ter um efeito mais sério, como determinar quais recursos você recebe do governo local.

O Gmail usa a IA para preencher frases de e-mail automaticamente

Então a IA é bem importante, né?

É. E conforme a IA se populariza, torna-se cada vez mais importante que todos nós entendamos a inteligência artificial e o impacto que ela pode ter. Quanto melhor a entendermos, mais garantiremos que a IA reflita as prioridades de todos, não apenas das poucas pessoas privilegiadas o suficiente para criá-la.

Fonte: Mozilla

Seminário Internacional Motivação: Evidências para promover a aprendizagem

O Instituto Ayrton Senna liberou a playlist completa do evento: “O SEMINÁRIO INTERNACIONAL MOTIVAÇÃO: EVIDÊNCIAS PARA PROMOVER A APRENDIZAGEM“, escolha o tema e assista, ou, se preferir, faça a imersão no evento de uma só vez acessando o ultimo link com a playlist completa do evento.

📖 Motivação: uma estratégia para o avanço da aprendizagem e para uma educação com significado
Assista em: https://youtu.be/rLUJDC3yJa4

🔬 Mesa: Explorando as evidências científicas
Assista em: https://youtu.be/zr-4wXXTwec

🐵 Jane Goodall – Motivação para a ciência: A cientista inspiradora que revolucionou o conhecimento sobre os animais
Assista em: https://youtu.be/Amdf6K2pWfs

🎓 Mesa: Como fortalecer a motivação por meio de políticas educacionais 
Assista em: https://youtu.be/j9NUFNKRblU

🎨 Motivação para a arte: um respiro com o arteativista Eduardo Kobra
Assista em: https://youtu.be/L_rV9P_di1I

👩‍🔬 Motivação na ciência: uma conversa com pesquisadores
Assista em: https://youtu.be/OwUH-sdyBKU

👩🏻‍🏫 Motivação na prática pedagógica: inspirações para educadores
Assista em: https://youtu.be/49CrAurR3I4

🛣️ Encerramento – O que aprendemos e para onde vamos
Assista em: https://youtu.be/_Os1p8Rt_70

⏯️ Playlist completa do Seminário Internacional – Motivação: evidências para promover a aprendizagem
Assista em: https://youtube.com/playlist?list=PLGYL0Ph3TnLW0RKIAP-Z4-DNtDEWSu_NQ

Por que o YouTube recomenda vídeos de teoria da conspiração?

O medo leva à raiva. A raiva leva ao ódio. O ódio leva a… cliques?

A maioria dos vídeos que você encontra no YouTube é grátis para você e eu assistirmos. Como, então, o YouTube arrecadou US$ 6 bilhões em apenas três meses este ano? Como o site está a caminho de rivalizar com os ganhos da Netflix – um serviço que cobra uma taxa mensal de todos os seus assinantes?

O YouTube ganha bilhões a cada mês com a ajuda da propaganda. Quanto mais vídeos do YouTube um espectador consome, mais dinheiro com propaganda o Google (a empresa controladora do YouTube) pode arrecadar. Simplificando, quanto mais tempo o YouTube consegue manter você em seu site, melhor para os lucros. É por isso que, como mencionamos antes, o algoritmo de recomendação do YouTube tem como objetivo manter você no site assistindo a vídeos pelo maior tempo possível.

Isso nem sempre é ruim, mas muitas vezes pode ser. Por exemplo, o conteúdo que é divertido nem sempre é factualmente correto ou seguro. “O ódio é útil para induzir cliques”, como diz Guillaume Chaslot. O atual membro da Mozilla e ex-engenheiro do Google diz: “Esse ódio, em alguns casos, pode levar à radicalização – onde um espectador acaba caindo em um buraco cheio de informações enganosas e violentas, em alguns casos estimuladas pelo algoritmo de recomendação do YouTube.”

Os usuários podem cair rapidamente em um efeito dominó, no qual um vídeo de conspiração leva a outro. Na verdade, na série YouTube Regrets, se estuda exatamente isso. Perguntas feitas aos usuários sobre as vezes em que sentiram como se o algoritmo sugerisse conteúdo extremo e milhares deles responderam contando sobre os lugares estranhos para os quais foram conduzidos. De pesquisas simples de vídeos de dança que levaram a vídeos sobre lesões corporais a vídeos de autoestima de drag queens que acabaram levando a conteúdo anti-LGBTQ. Os usuários do YouTube foram levados a alguns cantos assustadores do site – tudo graças ao algoritmo de recomendação do YouTube. Olhando o panorama geral, essa sequência de eventos acontecendo repetidamente, embora lucrativa para o YouTube, pode ser perigosa para a sociedade.

Que fazemos então com esta situação? Para começar, você pode nos contar sobre uma ocasião em que o robô de sugestões do YouTube desviou você do caminho. Além disso, é recomendado que os reguladores intervenham e promulguem leis que comecem a restringir isso. Mas há algo que você também pode fazer – armar-se com conhecimento. “Quando você sabe que o YouTube está tentando manipulá-lo, ele não funciona tão bem”, diz Chaslot. O ódio leva a cliques, mas só você pode evitar virar para o lado negro.

Fonte: Mozilla

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença: Creative Commons of Attribution - NonCommercial - ShareAlike.