Autor: Comunicação
Amante de livros, tecnologia e educação. Fui Superintendente na Secretaria de Educação, Cultura e Esporte do Estado de Goiás, sou Mestre Reiki e empresário no segmento de tecnologia e educação #Patriots #Flamengo

5 erros mentais que prejudicam sua produtividade

Se você às vezes fica frustrado com o pouco que realiza durante seu dia de trabalho, você não está sozinho. Uma pesquisa recente indica que apenas 26% das pessoas costumam deixar o dia de trabalho depois de realizar as tarefas que se propuseram a fazer. É comum sentir-se ocupado, mas não fez nada importante. Claro, a vida não é ser um robô de produtividade em que cada segundo é otimizado. Mas a maioria de nós deseja se sentir bem organizada e eficiente na busca de objetivos importantes e na solução de problemas críticos. Um bom primeiro passo é entender os erros mentais que normalmente nos impedem de focar e terminar um trabalho significativo. Aqui estão cinco mais comuns:

Você superestima quanto tempo concentrado você tem em um dia normal

Projetos criativos de longo prazo, pensamento estratégico e construção de habilidades e relacionamentos requerem grandes blocos de atenção concentrada. É fácil pensar com otimismo que você tem o dia todo, ou mesmo várias horas, para esse tipo de trabalho e, posteriormente, planejar suas prioridades com base nessa suposição. No entanto, para muitos de nós, reuniões, e-mail, Slack, telefonemas e “perguntas rápidas” ocupam uma parte considerável do nosso tempo no escritório. Os dados agregados do aplicativo de controle de tempo RescueTime sugerem que as pessoas têm pelo menos uma hora e 12 minutos de tempo ininterrupto em seu dia.
Se você reconhecer o tempo limitado que terá para um trabalho focado, poderá selecionar de forma mais implacável sua prioridade absoluta e se proteger de distrações por determinados períodos. Quando você tiver 60 a 90 minutos disponíveis, tente se concentrar em seus objetivos gerais (por mais tentador que seja concentrar-se em trabalhos de rotina mais sensíveis ao tempo). Lembre-se, também, que mesmo esses projetos complexos e importantes geralmente têm algumas tarefas administrativas associadas a eles (por exemplo, caçar uma referência ao escrever um livro) que não requerem tanto foco ou criatividade. Como uma solução alternativa por ter tempo limitado para o trabalho mais pesado, identifique as tarefas e coloque-as nos 15 minutos extras que você tem entre as reuniões ou nos períodos livres mais longos durante os quais você suspeita que haverá interrupções.

Você ignora métodos comprovados e sustentáveis ​​que parecem muito enfadonhos ou muito simples

Se você consome muito material de autoajuda de produtividade, provavelmente está familiarizado com muitos conceitos básicos da psicologia cognitivo-comportamental. Por exemplo, se você formar “intenções de implementação”, é mais provável que siga em frente. Isso envolve planejar quando e onde você fará uma tarefa e como você superará os obstáculos que encontrará. Da mesma forma, você deve ter lido anteriormente sobre como diminuir o número de decisões que você toma em um dia irá reduzir sua fadiga mental e melhorar sua força de vontade. E você deve saber que, quando torna qualquer tarefa mais fácil, por exemplo, garantindo que tem os materiais necessários em mãos, é mais provável que você comece. No entanto, uma vez que ouvimos esses princípios, muitas vezes os classificamos como “notícias velhas”, mesmo quando não os implementamos totalmente ou não os experimentamos.
Para cada um de seus projetos importantes, tenha sua próxima ação definida e tudo que você precisa para concluí-la à mão e pronto para uso. Por exemplo, se você quiser gravar um vídeo ensaiando um grande discurso, configure o espaço que planeja usar, faça um teste de gravação por um minuto e verifique se há espaço livre suficiente em seu dispositivo de gravação. Se você remover esses tipos de barreiras práticas para começar, eles não prejudicarão o seu tempo concentrado.
Se você gosta de se ver como um indivíduo especial ou único, pode descobrir que soluções simples não combinam com isso, já que você não gosta de se ver como qualquer outra pessoa. Isso é uma armadilha. Certifique-se de que você está empregando estratégias chatas, mas fáceis e comprovadas para o trabalho, de todas as maneiras que você poderia ser. Melhore a aplicação criativa de ideias simples em vez de procurar ideias complexas.

Você pensa sobre a mudança de uma forma tudo ou nada

Frequentemente suspeitamos que uma certa mudança de hábito ajudaria em nossa produtividade, mas nos sentimos psicologicamente resistentes a fazê-lo. Por exemplo, você pode acreditar que dormir mais ajudaria em sua produtividade, mas você é uma coruja da noite e se irrita com os conselhos sobre ir para a cama cedo. Em vez de perseverar naquilo a que você se sente resistente, procure as mudanças que está disposto a fazer que não pareçam ser um grande negócio. Automatizar as luzes de sua casa para diminuir (ou ficarem vermelhas), usando filtros de luz azul em seus dispositivos ou gastando os últimos 30 minutos do seu dia de trabalho planejando o dia seguinte (criando uma transição), pode ajudá-lo a mudar sem esforço o horário que você deseja vá dormir 10-15 minutos antes. No entanto, se você acha que tem que fazer uma mudança de duas horas em sua hora de dormir ou nada, ou está focado apenas no fato de que não quer desistir de dormir com seu telefone, você não fará nenhuma mudança em tudo. Colete as vitórias fáceis que não ativam sua resistência psicológica. Quando você faz uma mudança discreta com sucesso, sua disposição para fazer outras mudanças provavelmente se expandirá naturalmente.

Você se esquece de como fazer tarefas recorrentes, mas não frequentes

Se você faz uma tarefa diariamente, provavelmente tem um processo eficiente para realizá-la. Se você fizer isso uma ou algumas vezes por ano, talvez não. Em The Healthy Mind Toolkit, Alice Boyes escreveu sobre como toda vez que ela precisava limpar o tambor da sua impressora, ela gastava pelo menos 10 minutos procurando as instruções on-line de como fazer isso. Depois de um certo tempo, ela passou a salvar instruções em um e-mail destinado a ela mesmo sob a linha de assunto “como limpar o tambor da impressora”, então ela não tem que passar por todas as etapas para encontrar o número do modelo da minha impressora e pesquisá-lo no Google. Depois de concluir qualquer processo que precise repetir no futuro, escreva as instruções para você mesmo sobre a maneira mais eficiente de fazê-lo e salve-as em um local facilmente pesquisável.

Você subestima os custos de pequenos vazamentos de tempo / energia

Gastar um pouco de tempo na maioria dos dias em seus projetos importantes, mas não urgentes, ou melhorar suas habilidades é frequentemente o suficiente para melhorar drasticamente seus resultados gerais em comparação com não perder tempo. Por outro lado, pequenos vazamentos de tempo e energia podem ter um impacto negativo maior do que as pessoas percebem. Esses dez minutos que você gasta procurando chaves ou respondendo a um e-mail que não precisava de uma resposta imediata são irrelevantes por si só. No entanto, muitos desses casos podem interromper seu fluxo, reforçar um senso negativo de identidade e, geralmente, minar sua energia. Quando você cria sistemas (por exemplo, reduzindo decisões desnecessárias, agilizando e simplificando tarefas, agrupando, automatizando, terceirizando ou usando listas de verificação) que abordam pequenos vazamentos de tempo / energia, você experimentará benefícios de clareza mental ao fazer isso que superam em muito a economia de tempo .

Embora as dicas neste artigo não resolvam todos os seus problemas de produtividade, elas podem dar a você uma chance melhor de realizar as coisas mais importantes.

Alice Boyes, PhD, é uma psicóloga clínica que virou escritora e é autora de The Healthy Mind Toolkit e The Anxiety Toolkit.

Artigo Traduzido da Harvard Business Review.

Fonte Original: https://hbr.org/2019/11/5-mental-mistakes-that-kill-your-productivity

Outubro Rosa

A campanha de conscientização contra o câncer de mama, conhecida como Outubro Rosa, é realizada por diversos entidades, no mês de outubro, e dirigida à sociedade, em especial às mulheres. Entre os temas do movimento, está a importância da prevenção e do diagnóstico precoce da doença.

O nome da campanha remete à cor do laço que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades: o rosa. Durante o período, monumentos por todo o país se iluminam com essa mesma cor.

O câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais frequente no mundo e, apesar de também atingir os homens, as mulheres, acima de 35 anos, são o principal alvo.

Prevenção

O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) orienta que todas as mulheres conheçam seu corpo e sempre que possível, seja no banho, no momento da troca de roupa ou em outra situação do cotidiano, façam o autoexame das mamas. Segundo o Inca, não há técnica específica para a auto palpação e deve se valorizar a descoberta casual de pequenas alterações mamárias durante o toque.

De acordo com o instituto, há elevado percentual de cura quando o câncer de mama é identificado em estágios iniciais, quando as lesões são menores de dois centímetros de diâmetro.

Histórico

O movimento conhecido como Outubro Rosa nasceu nos Estados Unidos, na década de 1990, para estimular a participação da população no controle do câncer de mama. A data é celebrada anualmente com o objetivo de promover a conscientização sobre a doença e compartilhar informações sobre o câncer de mama.

Desde o final dos anos 90 a Seta Sistemas participa deste movimento, promovendo espaços de discussão sobre o controle do câncer de mama e divulgando e disponibilizando seus materiais informativos, trazendo qualidade para o debate, tanto para os profissionais de saúde quanto para a sociedade.

5 aulas de yoga grátis para aprender em casa

A Yoga é uma prática milenar que pode trazer inúmeros benefícios para a nossa vida. Entre eles, o autocontrole, melhora na postura, redução da ansiedade e autoconhecimento.

A yoga é 99% prática e 1% teoria, ela não acontece apenas nos dias em que você acorda de bom humor e motivada (o). Acontece muito mais nos dias que você vence as barreiras da preguiça, do frio e das dores físicas e mentais. Durante as prática, rimos, choramos, nos frustramos, nos desafiamos, temos medo, somos vulneráveis, diz a professora Fernanda Toyomoto.

É sempre interessante procurar um profissional que possa te acompanhar e recomendar exercícios direcionados para o seu objetivo. Porém, também é possível aprender e praticar sozinho em casa.

Existem diversos canais na internet que ensinam os princípios básicos da yoga e exercícios que podem ser feitos em casa. Pensando em ajudar você a dar o primeiro passo, selecionamos 5 aulas:

Com dificuldades de estudar em casa?

Preparamos algumas dicas legais para você, apesar de já estarmos habituados com a internet, redes sociais e a tecnologia dentro de nossas casas, na hora que é para estudar nem sempre é tão fácil. Os pais, irmãos, gato, cachorro, o vizinho chamando, a televisão ligada, nossa como tem coisas que nos tiram a atenção. Mas saiba que, apesar disto tem alguns jeitinhos para tornar o estudo algo legal e você se sair bem neste período de quarentena.

O ambiente

Hum, sabemos que nem todo mundo tem possibilidade de ter um canto para “chamar de seu”, mas é possível arrumar um jeito de criar um ambiente favorável aos estudos. Em primeiro lugar este canto deve ser único, não fique de galho em galho, um dia na sala, outro dia na cozinha e por ai vai. Se você não tem um lugar exclusivo, escolha um lugar que tenha boa iluminação, que seja o mais longe possível de coisas que irão tirar sua atenção. Não deixe televisão ligada ou qualquer coisa que irá atrapalhar sua concentração. E nesta hora, você terá que contar com a ajuda de sua família, converse com seus pais e irmãos para que eles não tirem sua atenção no momento em que estiver estudando. Há, este local tem que ter um certo aconchego, você deve se sentir bem neste ambiente, então coloque algumas coisas que façam você se sentir bem, como um quadro, alguns adereços, use sua criatividade. Se possível, uma mesa adequada e cadeira que se sinta confortável, tudo isso ajuda a você se sentir bem e concentrado em seus estudos. E evite estudar na cama, pois você terá que lutar com aquele soninho que bate quando estamos estudando. O ideal é mante os pés direto no chão, faz com que o corpo fique mais acordado.

A Internet é aliada

Não adianta ser organizado e impecável com seus materiais, saber de tudo que precisa fazer, se você não puder estudar porque sua conexão não está legal. Certifique-se sempre que está tudo certo com a sua internet – ela será a sua grande aliada.
Internet

Seja organizado e crie uma rotina de estudos

Sabemos que se você não estivesse que estudar em casa, certamente estaria na escola por, no mínimo quatro horas, então continue a reservar o mesmo tempo para os estudos, a vantagem de se estar em casa, é que você pode intercalar os estudos de maneira a não cansar tanto.

Crie um horário para cada matéria, não pare no meio do caminho, se estiver cansado, pare no final de um tópico, levante, faça alongamentos, tome uma água ou faça um lanchinho, mas retorne logo para os estudos e termine o que foi planejado para aquele momento.

Estabeleça Metas

Faça uma lista de tudo que deverá estudar e dos exercícios que fará no dia, na semana. Coloque tudo por escrito e siga rigorosamente o seu planejamento. Existem vários aplicativos na internet que poderá lhe auxiliar nesta organização.
Tenha Metas!

Dê umas paradinhas

Você não está na escola, então não precisa estudar 4 horas seguidas, até mesmo na escola você para um pouquinho não é. Na sua programação, crie intervalos de tanto em tanto tempo. Existe um método chamado Pomodoro, não não é molho de tomate, é um método que consiste em intercalar períodos de trabalho e descanso. Por exemplo, você pode estudar 25 minutos intercalando com uma pausa de 5 minutos. Isso tudo para melhorar a sua produtividade. Agora, se você for distraído e achar que isso pode te prejudicar, faça uma pausa a cada hora. Aproveite para ir ao banheiro, veja o céu (se puder), tome uma água ou coma alguma coisinha. Você vai ver como o seu estudo será mais dinâmico e produtivoCuidado com o Celular

Redes sociais na hora do estudo é uma tentação, mas não se deixe levar. Foque no conteúdo repassado, nas videoaulas, veja o que os professores têm a dizer, foque nos resumos, mas não pegue o celular. Uma dica legal é deixar no modo avião ou configurar para não notificar a cada mensagem recebida. Outra dica importante, além do uso do celular, é evitar deixar as redes sociais abertas no computar enquanto você estuda. E se você usa somente o celular para estudar ai é interessante desativar as redes sociais, a não ser aquela que você necessita para tirar dúvidas com colegas e professores.
Cuidado com o Celular

Faça resumos e revise com frequência

Faça resumo de todo material que lhe foi enviado, discuta com professores e colegas de classe, participe de fóruns de discussão e, por fim, faça sempre revisões. Se possível, a cada conclusão de matéria ou de um assunto.

As revisões vão te ajudar a fixar o conteúdo. Consulte as anotações, pesquise com material complementar, amarre muito bem os assuntos que você, com certeza, vai mandar bem! Para lhe ajudar nisto, pesquise sobre mapas mentais, são ótimos para memorização do conteúdo.

Ideias para escola: 4 dicas para aplicar

Pensando em ‘garantir’ um futuro promissor para a nova geração, é natural que tanto pais, como escolas, tenham interesse em preparar as crianças e jovens para o ingresso no Ensino Superior. No entanto, a cada ano fica mais evidente que uma formação somente focada nos quesitos técnicos não abrange todas as habilidades necessárias para viver no mundo contemporâneo.

Neste contexto, grande parte das preocupações das escolas mais atentas às mudanças sociais e culturais de hoje estão voltadas para a necessidade de ajudar os pais a formarem verdadeiros cidadãos, cientes de seus direitos, deveres e responsabilidades sociais.

Para isso, além de trazer à discussão temas atuais, faz-se necessário encontrar técnicas e metodologias diferentes para atuar no desenvolvimento cognitivo e no aprimoramento das habilidades intelectuais dos alunos- sempre com objetivo de ampliar sua formação e seu senso de comprometimento com a comunidade em que vive e com o mundo a seu redor.

Visando ajudar os educadores nesta missão, selecionamos algumas tendências em assuntos e metodologias a serem trabalhadas no âmbito escolar e que representam formas inovadoras de educar para transformar. Vale a pena conferir!

Fomentar competências do Século XXI

A tecnologia chegou às escolas e trouxe com ela mudanças consideráveis e velozes nos relacionamentos e na forma de produzir e de apresentar os conteúdos, exigindo de toda a comunidade escolar o desenvolvimento de novas habilidades e competências.

Hoje, cabe aos educadores preparar o aluno para ser atuante em um mundo em transformação e ajudá-lo a desenvolver as tão faladas competências específicas para o Século XXI. No entanto, que competências seriam essas? Para ajudar a responder essa questão, a “National Research Council” – organização norte-americana de pesquisa que ajuda governos a formatarem políticas públicas – reuniu especialistas no assunto com o objetivo de identificar tais habilidades.

Pelo período de um ano, educadores, psicólogos e economistas buscaram respostas sobre as expectativas dos alunos relacionadas aonde querem chegar ao final dos seus ciclos escolares e sobre o que vislumbram para seu futuro profissional e pessoal.

O resultado foi compilado no livro digital “Educação para a Vida e para o Trabalho: Desenvolvendo Transferência de Conhecimento e Habilidades do Século 21”. Uma das importantes conclusões do estudo mostrou que o aprendizado que se busca hoje deve estar relacionado à capacidade de aplicar o que se aprendeu em situações novas, a chamada “transferência de conhecimento”.

Na prática, isso significa dizer que tudo o que for aprendido em sala deve poder ser aplicado na vida do aluno, para além dos muros da escola. Essa habilidade de transferir o que se sabe ajuda os estudantes a desenvolverem essas tais competências para o século 21.

Aplicar conhecimento à vida real deve ser feito tanto nos domínios da cognição propriamente dita (relacionado à aprendizagem mais tradicional), mas também nos âmbitos das competências intrapessoal (relação consigo mesmo) e interpessoal (relação de si mesmo com as outras pessoas) – ressaltando que esses domínios se interrelacionam em boa parte do tempo (veja quadro abaixo).

Sendo assim, o estudo aponta que os planos de aula alinhados com as tendências do presente devem ser pautados pela interatividade e abrirem espaço para perguntas e reflexões que possibilitem a expansão da imaginação e do compartilhamento de aspectos socioemocionais. Portanto, para se alinhar a essas novas competências, não hesite em encorajar posturas questionadoras (estimulando que os estudantes se expressem), em ensinar por exemplos e histórias, em incentivar que os alunos participem de desafios e resolvam problemas, sempre dando retorno quanto aos progressos no processo de aprendizagem.

De forma geral, a ideia é mantê-los motivados, apresentando temas que se relacionem àquilo que lhes despertem a atenção e que tenham relação prática com sua vida, para que os aprendizados não fiquem apenas no campo abstrato.

Sala de Aula Invertida

Alunos desmotivados e dispersos durante as aulas: você, educador, reconhece esse cenário, não é mesmo? Apesar da diversidade de métodos pedagógicos existentes hoje, ainda são constantes as ocasiões em que os professores precisam se desdobrar para ganhar a atenção dos estudantes.

Agora, imagine um método que coloca o aluno como protagonista no processo, promovendo uma aprendizagem ativa, investigativa e colaborativa. Não seria uma alternativa interessante para atrair a atenção dos seus alunos? Pois essa é a proposta do Flipped Classroom ou Sala de Aula Invertida.

Na prática, funciona assim: o professor disponibiliza o conteúdo a ser abordado previamente, propondo que o aluno estude sobre esse tema antes da aula.

O objetivo é que o estudante venha mais preparado, com questionamentos e inquietações que serão o ponto de partida para as discussões em sala, permitindo assim que o tema seja explorado de maneira mais ampla.

A metodologia inovadora busca prover aulas menos expositivas e mais interativas, capazes de engajar e valorizar o aprendizado no ritmo de cada aluno e otimizar o tempo e o conhecimento do professor.

A eficiência da “Sala de Aula Invertida” já foi testada e aprovada pelas Universidades de Harvard, nos Estados Unidos, e da British Columbia, no Canadá. Testes da metodologia realizada em ambas, mostrou um aumento considerável na aprendizagem, além de duplicar as notas dos alunos, se comparados aos estudantes de aulas convencionais.

No entanto, para implantar esse método na sua escola é preciso ter em mente que serão necessárias mudanças na prática do professor, na gestão e na dinâmica da sala de aula. Por isso, dispor de professores qualificados se torna mais importante do que nunca. Afinal, são eles os que definirão o conteúdo e as instruções, que traçarão as estratégias de interação e que, durante a aula, devem observar, dar feedbacks e avaliar os alunos constantemente.

Incluir games e brincadeiras no processo pedagógico

Seja para crianças ou adolescentes, as brincadeiras são fundamentais para o desenvolvimento físico, motor, social e cognitivo. Por isso, adaptadas a cada idade, as atividade lúdicas, que podem incluir desenhos animados, jogos de tabuleiros, analógicos ou digitais (games), tendem a favorecer princípios de cooperação, liderança e competição e a promover o aprendizado em sala de aula através de métodos mais modernos e atrativos.

“Brincar auxilia de modo leve e natural o aprendizado escolar”, afirma a pedagoga e vice-diretora da Faculdade Asser, Daniela de Abreu.

No contexto escolar, o uso de jogos orientados ao objetivo de resolver problemas práticos ou despertar o engajamento dos alunos, já ganhou um nome: gamificação.

A ideia é o professor usar as regras e as estratégias tanto de jogos analógicos, como “Banco Imobiliário” ou “War, como dos eletrônicos como o “Minecraft”, por exemplo – que já foi até incluído na grade curricular da Irlanda -, ou até mesmo engajar os alunos a criarem seus próprios jogos, com objetivo de ensinar disciplinas como matemática, estatística, geografia, cálculo entre outras.

“O uso dos jogos na escola certamente deve ser voltado para os alunos e para a aprendizagem, como um dos recursos utilizados para o desenvolvimento de habilidades como: concentração, memória, atenção e raciocínio lógico”, orienta a pedagoga.

De forma geral, dentre os propósitos de usar jogos e games para educar estão o de incentivar o protagonismo do aluno, desenvolver talentos e habilidades naturais, promover práticas colaborativas, além de permitir o intercâmbio entre várias disciplinas. Nesse contexto, cabe ao professor o papel essencial de conselheiro e orientador, administrando a construção do conhecimento por parte dos jovens.

Para isso, a sugestão é que eles adaptem a narrativa e missões dos jogos de acordo com o conteúdo a ser ensinado. Como todo método, a pedagoga diz ser importante ter clareza dos objetivos dos jogos, além de relacioná-los de forma estratégica ao projeto político-pedagógico da escola. Afinal, o intuito é deixar atividades que seriam feitas de qualquer maneira mais lúdicas e divertidas, e não apenas substituí-las por jogos.

Alfabetização Emocional

Muitas teorias tratam sobre a relação afetividade/aprendizado e sua importância para amenizar certos desafios do processo de aprendizagem.

Nomes como Piaget, Vigotsky e Wallon abriram caminhos no estudo do afeto como suporte fundamental ao processo educacional, fazendo com que grande parte das escolas de hoje entenda que um bom aluno não é aquele que obtém notas altas e domina apenas o raciocínio lógico, mas sim, aquele que consegue desenvolver inteligências múltiplas, especialmente, no campo emocional.

Afinal, se cabe a escola preparar o aluno para a vida, é preciso ensiná-lo a contornar os conflitos do cotidiano consigo mesmo e com o outro. Daí a importância da chamada “Alfabetização Emocional” – técnica que visa estimular o desenvolvimento das inteligências interpessoais (em relação aos outros), intrapessoais (em relação a si mesmo), em busca da ampliação da empatia e do autoconhecimento.

Sabemos que a emoção tem poder determinante no processo de fixar conhecimentos e experiências na memória e, assim, melhorar ou piorar o interesse e a concentração em um determinado tema.

Por isso, o educador precisa trabalhar com as emoções, ampliando a percepção dos alunos a respeito dos seus sentimentos e os ensinando a gerenciar essas emoções. Pensar antes de reagir, não ter medo do medo, enfrentar desafios, ser autônomo, lidar com as contradições da vida etc, são exemplos de emoções que, com os estímulos adequados, o professor pode ajudar os estudantes a desenvolverem as inteligências inter e intrapessoais.

Quando a emoção do indivíduo é trabalhada e educada, ele se torna apto a lidar com frustrações, angústias, medos e incertezas e se torna mais flexível e compreensível- características que, consequentemente, vão ajudá-lo a desenvolver sua capacidade de se relacionar consigo e com com os outros.

Dentre as técnicas que criam um elo entre educador e educando, valorizando as emoções, estão a exposição interrogada e dialogada, a humanização do conhecimento e do professor, além da arte de contar histórias. Hoje em dia, já existem autores especializados, como Celso Antunes e Augusto Cury, por exemplo, que podem ajudá-lo a ampliar o conhecimento e as formas de aplicação do tema.

Construa um novo olhar para a Educação

Essas são algumas das possibilidades que sua escola pode adotar para aprimorar ainda mais os processos de aprendizagem e, como consequência, dar um passo além ao utilizar métodos e desenvolver habilidades mais humanizadas.

Paralelo às atividades cognitivas, busque sempre inserir atividades que promovam a cidadania, de modo a formar estudantes com visões de mundo diferenciadas, com senso de comunidade e perfil crítico atuante e disposto a contribuir para a construção de uma sociedade melhor articulada perante as diversas realidades globais.

Não hesite também em apostar em novas formas e em novas tecnologias que estejam alinhadas ao mundo contemporâneo e que sejam ferramentas para a construção de um novo olhar para a educação. Pode residir nesse quesito seu grande diferencial.

Fonte: Escolas Exponenciais

Conheça os 8 projetos selecionados pelo Desafio de Aprendizagem Criativa Brasil 2020

Conheça o Desafio de Aprendizagem Criativa e fique por dentro de tudo o que acontece ao longo do desenvolvimento dos projetos que pretendem transformar a educação brasileira

Escola não é obrigada a apresentar planilha de custos

Em recente artigo publicado no jornal o hoje, comento sobre a crise envolvendo o setor de ensino em Goiás.

Recentemente o PROCON, juntamente com o Ministério Público e a Defensoria Pública se juntaram para processar mais de 250 escolas da capital. E o motivo? Ausência de transparência da escola aos consumidores. Explico. Os representantes dos consumidores alegam que as instituições de ensino estariam omitindo os custos da empresa durante a pandemia. Alegam ainda que a escola é obrigada a exibir seus custos mensais aos clientes.

A situação é delicada. De um lado compreendemos a intenção dos consumidores que foram lesados economicamente pela pandemia. Entretanto, diferentemente do entendimento feito pelos órgãos públicos, não existe essa obrigação legal. E mais, sua exigência fere direitos civis indisponíveis das instituições de ensino, além de desequilibrarem a economia com a exibição indiscriminada de dados financeiros dessas empresas.

Todavia, o alívio é saber que recentemente o Tribunal suspendeu a decisão provisória que forçava as instituições a exibirem seus custos. Nesse processo não há vencedores. Quem perde é a educação. Vejamos os próximos episódios.

Por Yuri Jackson | Advocacia

Boa notícia para as escolas!

Em sessão remota nesta quarta-feira (9), por 75 votos favoráveis e um voto contrário, o Senado aprovou o projeto de lei complementar que cria o Programa Nacional de Auxílio às Instituições de Ensino da Educação Básica (Pronaieeb), com o objetivo de prestar auxílio financeiro às escolas privadas afetadas pela pandemia de covid-19. O PLP 195/2020, do senador Jorginho Mello (PL-SC), foi relatado pela senadora Daniella Ribeiro (PP-PB), que acatou e apresentou emendas. O texto segue para a Câmara dos Deputados.

Poderão aderir ao Pronaieeb as escolas com ou sem fins lucrativos, adeptas do Simples Nacional, que tiveram receita bruta anual, em 2019, igual ou inferior a R$ 4,8 milhões e que tenham interrompido as atividades pela imposição de medidas de isolamento social.

O projeto determina à União o repasse de até R$ 3 bilhões aos municípios, para aplicação em ações emergenciais de apoio às instituições privadas de ensino básico, com ou sem fins lucrativos. De acordo com a proposta, com o repasse recebido da União, os municípios poderão conceder subsídio mensal, no valor entre R$ 3 mil e R$ 10 mil, dependendo do número de alunos matriculados, para manutenção das instituições participantes do programa. Esse subsídio será concedido até o fim da vigência do decreto que declarou o estado de calamidade em decorrência da pandemia de covid-19 (Decreto Legislativo 6, de 2020).

Quer saber como ter acesso ao benefício?! Comente aqui!

Fonte: Agência Senado

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença: Creative Commons of Attribution - NonCommercial - ShareAlike.