Gestão do tempo: Não sinta culpa por isso

A maioria das pessoas que conheço tem uma lista de tarefas tão longa que não fica claro se ela tem um fim. Algumas tarefas, mesmo as muito importantes, permanecem inacabadas por um longo tempo, e é fácil começar a se sentir culpado ou envergonhado pelo que você ainda não concluiu.

As pessoas sentem culpa e vergonha de seu primo próximo quando fazem algo errado. A culpa é focada internamente no comportamento que alguém cometeu, enquanto a vergonha tende a envolver o sentimento de que você é uma pessoa má, especialmente no contexto de comportamentos inadequados que se tornaram de conhecimento público.

A questão fundamental é se esses sentimentos são bons. Para responder a isso, vale citar o filme Bridge of Spies. Mark Rylance interpreta o espião Rudolf Abel. A certa altura, ele é questionado se está preocupado e ele responde: “Isso ajudaria?”

Nesse caso, a resposta é: “Depende”.

A culpa às vezes pode ser motivadora. Por exemplo, sentimentos de culpa podem aumentar a propensão das pessoas a cooperar. E, em alguns casos, a culpa também pode motivar as pessoas a progredir em projetos que foram paralisados. No mínimo, a culpa não parece tornar as pessoas piores na conclusão de tarefas. No entanto, sentir-se culpado quando está fora do trabalho, quando não está em posição de fazer nada a respeito, não é útil e pode ser doloroso. Isso fará com que você se sinta pior em relação ao seu trabalho em geral e estragará o tempo que você poderia passar com amigos, família ou se envolver em uma atividade agradável.

A vergonha, porém, é uma história diferente. Há evidências de que as pessoas procrastinarão explicitamente para evitar a vergonha. Sentir vergonha por um trabalho que você não concluiu provavelmente tornará o problema pior, e não melhor, tornando-o uma emoção que quase nunca ajuda.

O que você pode fazer para evitar os efeitos negativos da culpa e da vergonha?

Um dos fatores que podem tornar essas emoções mais dolorosas é a ruminação – o processo de ter pensamentos repetidos sobre algo que provoca ansiedade. Existem várias coisas que você pode fazer para interromper e combater esses pensamentos negativos.

Exercite a auto compaixão. Ser gentil e disposto a perdoar a si mesmo demonstrou aliviar os efeitos negativos da vergonha. Imagine que você está aconselhando alguém que está na mesma situação em que você se encontra – por exemplo, a um amigo que está atrasado em vários projetos. Provavelmente, você estaria disposto a dizer a outras pessoas para se darem um tempo. Você deve estar disposto a dar a si mesmo o mesmo conselho.

Concentre-se em suas realizações. A pesquisa de Gabriele Oettingen demonstra que focar na lacuna entre o que você realizou e o que deseja realizar leva a sentimentos de insatisfação. Essa energia pode ser motivadora para agir, mas quando você não é capaz de agir, concentrar-se em suas realizações lhe dá uma sensação de orgulho pelo que você fez. Elimine a culpa sentindo-se bem com o que você já fez. Quando você estiver em posição de agir, digamos, sentar em sua mesa na segunda-feira de manhã, então você pode fazer melhor uso da insatisfação que vem ao se concentrar no que ainda não foi feito.

Aceite a prática. Um dos resultados de muitas técnicas de atenção plena é a aceitação de sua situação atual. Isso também é útil quando você está tentando superar sentimentos de culpa. Nesses momentos, você precisa se lembrar que todo o trabalho que você precisa fazer estará lá quando você voltar ao trabalho, quer você se sinta culpado no momento ou não. Em outras palavras, lembre-se de que sentir culpa naquele momento não ajuda.

Você deseja usar a culpa como uma ferramenta motivacional quando estiver em posição de fazer o trabalho. Quando você não está, desenvolva estratégias para deixá-lo para trás. E encontre maneiras de reduzir o sentimento de vergonha. Reconheça que deixar de concluir algum trabalho não o torna uma pessoa má. Isso apenas faz de você uma pessoa.

Fonte: Harvard Business Review

Deixe uma resposta

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença: Creative Commons of Attribution - NonCommercial - ShareAlike.